No Jornal Destak Brasília – 06/11/2017

Captura de Tela 2017-11-06 às 07.35.44

Captura de Tela 2017-11-06 às 07.35.08

Clique no link e acesse a íntegra da edição do jornal20171105_10084_brasilia

Anúncios

Artigo publicado na Gazeta do Povo (Curitiba-PR)-25/10/2017 – “O mundo aos seus pés”

Captura de Tela 2017-10-25 às 14.29.39

Captura de Tela 2017-10-25 às 14.30.09.png

Captura de Tela 2017-10-25 às 14.30.37.png

Captura de Tela 2017-10-25 às 14.30.54

Captura de Tela 2017-10-25 às 14.31.04

Captura de Tela 2017-10-25 às 14.31.37.png

Captura de Tela 2017-10-25 às 14.31.47

Em outubro a palavra brinquedo nos invade o pensamento, espontânea ou induzidamente. Mas nossos pequenos não são bolas, apesar de serem jogados a todos os lados…

 

Nunca foi tão importante estar bem informado.Sua assinatura financia o bom jornalismo.

O número de crianças vagando pelo mundo em busca de um lugar para viver é imenso. Dos 65 milhões de pessoas que buscam refúgio em função de guerras e conflitos armados, a metade é de menores de 18 anos. Neste ano, Berlim já recebeu mais de mil menores refugiados desacompanhados, afirma Robin Schulz-Agie, da ONG Save the Children, que admite não ter estrutura para lidar com esta quantidade. Na Suécia, o número é de 700 crianças e adolescentes que chegaram sozinhas ao país. Só em 2016.

De acordo com a Unicef, existem mais de 8 milhões de crianças abandonadas no Brasil. Destas, 2 milhões estão nas ruas, sem abrigo, comida e dignidade. A Polícia Militar recebe centenas de ligações sobre abandono de menores todos os dias. O abandono é a maior causa de violência contra crianças de até 9 anos.

Toda criança carrega o peso da infância para o resto de seus dias

Estatísticas à parte, nos deparamos com o outro lado da moeda: crianças supersaturadas de brinquedos e consumismo por todos os poros, em uma fase da vida na qual não são capazes de pensar de forma crítica e autônoma sobre este mundo de produtos que lhes invade a vida. O que presentear a uma criança?

Toda criança carrega o peso da infância para o resto de seus dias. Pela falta, o peso da miséria; ou, pelo excesso, o peso da desmedida, a ideia fantasiosa de se ter um mundo aos seus pés.

Há a famosa frase “que mundo estamos deixando para nossas crianças?” e sua réplica, “que crianças deixaremos para o nosso mundo?” Tomando por base essas duas realidades contrastantes, há de se alarmar. Mas isso não é tudo. Há de se acalentar a criança perdida.

Da mesma autora:O exílio das borboletas (22 de outubro de 2015)

Leia também:  A Europa dos refugiados (artigo de Jorge Fontoura, publicado em 17 de agosto de 2017)

A infância é a fase mais curta de nossas vidas, e a mais impactante. É como se o desenvolvimento infantil desembocasse eterna e constantemente no que somos e seremos. Este é o aprendizado permanente que faço em meu consultório de psicologia clínica, onde literalmente todas as pessoas trazem a infância à tona. Nem é preciso pedir. Mesmo em processos terapêuticos breves, sem fazer grandes mergulhos no passado, a criança que essa pessoa foi aparecerá de quando em vez, para o adulto poder desatar certos nós. Isso nos direciona a falar sobre a criança interna e que pede para não ser esquecida.

A visita à criança que nós fomos um dia também pode gerar metamorfoses inimagináveis. Se a ideia lhe for simpática, busque um diálogo com esta criança. Escreva(-se) cartas a ela, visite suas fotos, desenhe quem você foi, quais foram seus sonhos, anseios, frustrações, conquistas. O que mais lhe embalava na infância, o que era a vida vista pelos olhos de sua criança? O que dela ainda vive? O que foi abandonado e necessita de acalanto? Ou não faça nada aparente, apenas abra espaço interno para ela, o pilar de você.

Essa visita invisível pode inspirar outras possibilidades não somente na lida com questões pessoais, como também na visão do todo. Entrar em contato com o que nos sustenta, como seres individuais e grupais, é um belo caminho de acolhimento.

Adriana Kortlandt é psicóloga clínica e escritora, autora de “A Casa da Vida”.

Convite – Lançamento em Brasília-DF

WhatsApp Image 2017-10-20 at 20.13.55

Imagem

Belo dia para ser relembrado

Captura de Tela 2017-10-20 às 20.49.41

Imagem

Artigo publicado no Correio Braziliense-24/12/2016 – “Natal plural e invisível”

Captura de Tela 2017-10-20 às 19.54.19

Captura de Tela 2017-10-20 às 19.54.04

A página completa

Natal Plural e invisível – Kortlandt AXX11-2412

Artigo publicado no Correio Braziliense-28/10/2016 – “Carlota Joaquina e o Ministério das Raízes”

Captura de Tela 2017-10-20 às 19.55.55

Captura de Tela 2017-10-20 às 19.56.18

A página completa

Carlota Kortlandt AXX13-28 10 16

Artigo publicado no Correio Braziliense-31/12/2015 – “A grama do vizinho se mudou (para dentro)

 

 

Captura de Tela 2016-01-01 às 14.08.29Captura de Tela 2015-12-31 às 08.47.15

Imagem

Entradas Mais Antigas Anteriores